Seguidores

quinta-feira, 30 de junho de 2011

FESTAS DE SANTO


Festas de Santo 
Nossas festas populares
Santo Antônio é o primeiro
É Santo bem conhecido,
Porque é casamenteiro.
Recebe muitos pedidos,
Daquele que é solteiro.
*
Das festas de Arraial,
Seguido, vem São João,
É o Santo das quadrilhas,
Onde soltamos balão.
Tem casamento na roça
Tem pamonha e tem quentão.
*
Logo chega o São Pedro,
Que é Santo pescador.
Foi ele que desenvolveu,
A Igreja do Senhor.
Dizem que negou o Cristo,
Mas nunca foi traidor.
(Rosário Pinto)
DEIXE NO QUADRO ABAIXO SEUS COMENTÁRIOS
ou envie para: cordeldesaia@gmail.com
Foto: do link da Academia Penedense de Lestras, Artes, Cultura e Ciências

quarta-feira, 29 de junho de 2011

VIVA SÃO PEDRO!


VIVA SÃO PEDRO!
*
Hoje é dia de São Pedro,
Que já se chamou Simão.
É ele quem fecha as festas
Nos festejos do sertão.
Onde o profano e o sagrado
Fazem a miscigenação.
*
Chama-se Santo Antônio,
O santo casamenteiro.
O glorioso São João,
Só dorme o tempo inteiro.
Enquanto o grande São Pedro,
Trabalha no céu é porteiro.
*
Das desamparadas viúvas
É São Pedro o protetor.
Dele tem a proteção
Também quem é pescador.
E se um dia negou Cristo,
Depois virou seu pastor.
*
Texto de Dalinha Catunda,
Imagem: brasilcultura.com.br
Visite: www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com

terça-feira, 28 de junho de 2011

TERESÓPOLIS


TERESÓPOLIS
*
Admiro Teresópolis
Linda cidade serrana,
Muitas vezes apareço
Quando é final de semana,
E sinto-me encantada
Com tudo que dela emana.
*
Hortência naturalmente,
Neste chão vejo brotar
Ornamentando a cidade
Engalanando o lugar.
Olhando tanta beleza
Difícil não se encantar.
*
A verde mata fechada
Revestida de grandeza.
O manto do céu azulado,
É cenário de beleza
Serra triscando no céu,
Tudo arte da natureza.
*
Olhar o dedo de Deus
Do alto daquela serra,
É mirar o paraíso
Mesmo se estando na terra,
Monumento natural
Que muita beleza encerra.
*
Teresópolis traduz:
Encanto, magia, riqueza.
Certamente premiada
Com dotes da natureza,
De encantos foi coroada
Esta terra de Tereza.
*
TERESÓPOLIS - poema composto para Oficina em TERESÓPOLIS que foi realizada em 27/06/2011, na Escola Municipal Sakurá.
Texto e imagem de Dalinha Catunda
Visite: www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com

Oficina Cordel de Saia

                                                     Oficina CORDEL DE SAIA 
*
 Cordel de Saia, com Rosário Pinto e Dalinha Catunda realizou oficina na Escola Municipal Sacurá, Teresópolis, em 27 de junho de 2011.
O convite partiu da professora Maria Helena Santos, com o aval da diretora Solange Dias.
As turmas eram de alunos do 6º e 7º período.
Nossa proposta foi apresentar um panorama da história da literatura de cordel – suas origens; chegada ao Brasil; sedimentação no Nordeste e, chegando ao Sudeste por meio de poetas que migraram em busca de melhores condições de vida e de trabalho, na primeira metadedo século XX.
Para estas turmas de alunos na faixa etária dos 9 aos 13 anos, ainda iniciando a formação de conhecimentos gramaticais e literários, optamos por dar maior evidência a:
*
1. Situar a literatura de cordel - desde os seus primórdios até nossos dias;
ênfase ao caráter de oralidade da poesia de cordel em seus primórdios. Oriunda do canto, das canções infantis, cantigas de roda lendas e histórias contadas desde os tempos de seus avós e episódios locais;
2. Apresentação  do folheto - sua formatação gráfica e ilustração das capas – tamanho; capas em desenho, cartazes de cinema, cartões postais e xilogravuras;
3. Estruturação - as quadras, trovas e sextilhas, com métrica e rima;
Ex.: Quadra – estrofe de quatro versos de sete sílabas, rimando o 2º com o 4º (ABCB), podendo ter o sentido complementado em outras quadras.

Eu que sou uma aprendiz - A
Fico na observação - B
Escrevendo minhas quadras - C
Com amor e emoção - B
(Rosário)

Da roseira nasce a rosa,
Que antes foi um botão -B
Mas depois que a rosa murcha
As pétalas caem no chão. – B
(Dalinha)

Ex.: Trova – estrofe de quatro versos de sete sílabas, rimando o 1º com o 3º e o 2º com o 4º (ABAB), dando-lhe um sentido completo.

Cordel de Saia pretende – A
Agregar as cordelistas – B
A mulher, quase duende! - A
Expondo suas conquistas – B
(Rosário)

Cuidar bem da natureza - A
Sei que é nossa obrigação – B
Vamos pensar na beleza - A
De não ter poluição – B
(Dalinha)

4. Sextilhas – estrofe de 6 versos (sextilhas) e, 7 sílabas métricas – rimando o 2º com o 4º e com o 6º – esclarecer para o aluno a diferença entre sílaba gramática e métrica. Ex:

O sol ilumina o dia
E aquece nosso planeta
É chamado de astro rei,
Ele se vê sem luneta
Aprendi esta lição
Foi com a tia Julieta.
(Dalinha)

Durante o mês do folclore
É sempre tempo de festa
Tem brinquedo e brincadeira
Mas também tem a seresta
Canções, rezas e benditos
E histórias da floresta
(Rosário)

5. Métrica - medida, o tamanho de cada verso
Ex.: 7 sílabas métricas (sílabas fonológicas, não morfológicas):
Ex.: Cor/del/ é/ li/te/ra/tu/ra – 7 sílabas métricas, finalizando na última sílaba tônica ou seja, a sílaba mais forte;
6. Estrofação – as várias modalidades de estrofes – quadras, sextilhas, setilhas, décimas e outras modalidades;
7. Oração – o encadeamento dos versos, composição com princípio/meio e fim. Esta orientação serve para inserir conteúdos também de textos em narrativa;
8. Riqueza de expressão – cuidado no uso de expressões poéticas;
9. Permanência – observar a permanência dessa forma de expressão poética que chegou ao Brasil, na bagagem dos primeiros colonizadores e atravessa os tempos;
10. Importância – constatar a pertinência do uso da literatura de cordel como ferramenta adicional no âmbito escolar evidenciando o caráter lúdico e atual, podendo ser utilizada por professores em todas as disciplinas da grade escolar;
11. Motivação - despertar nos alunos face às múltiplas possibilidades de busca em feiras populares e em sites e blogs na internet; despertar o interesse criativo, objetivando extrair do aluno temas de seu dia a dia;
12. Estímulo a pesquisa - realizar buscas na internet, como ferramenta de trabalho, em sites e blogs específicos para a realização de suas tarefas;
13. Temáticas/assuntos - abordar assuntos de interesse do aluno e de seu grupo;
14. Cotidiano – relato da vida diária de cada um (a família / a escola/ o bairro / a cidade / interesses pessoais;
13. Fatos mais recorrentes - nas mídias (rádio / televisão / jornais/ etc.);
14. Notícia (o poeta como repórter dos fatos ocorridos, hoje, o poeta não é mais a fonte de informação como no passado, ele analisa a notícias e faz uma espécia de crônica opinativa);
15. Olhar do poeta – o poeta é um sagaz observador da realidade que o cerca e do mundo, sempre atento a tudo que se passa a sua volta e no mundo.

Expectativas pedagógicas:
.
despertar o interesse pela leitura em todos os seguimentos;
despertar o espírito de composição narrativa e poética;
formação de novos leitores e, quem sabe, escritores e/ou poetas.
.
A oficina foi ministrada por Rosário Pinto e Dalinha Catunda do Cordel de Saia
Navegue ainda:
http://cantinhodadalinha.blogspot.com
http://rosarioecordel.blogspot.com
Não deixe de consultar para ampliar suas pesquisas os sites:
www.cnfcp.gov.br
www.ablc.com.br
NÃO DEIXE DE FAZER SEUS COMENTÁRIOS NO QUADRO ABAIXO!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

VOA!!! PAVÃO, VOA!!!!

PAVÃO MISTERIOSO!!!!

O cordel tem dado mostras
De sua versatilidade
Navega na internet
Com a maior tranqüilidade
Escreve em verso o jornal
Cultura imaterial
É tema da atualidade.

Chegando à modernidade,
O cordel virou “global”
Vem de muitos idos tempos,
Na TV é cabedal.
Está presente na tela:
Acompanhe a novela.
Lá tem papel virtual.

Ouvimos muito falar
De um pavão encantado
De um pássaro formoso,
Em um reino afastado
Repleto de peripécia
 “Que levantou vôo da Grécia”
De amor acalantado

Foi num antigo reinado
Nos tempos da oralidade
Onde havia uma princesa
Menina de pouca idade
O seu pai muito grosseiro
Trancou-a em cativeiro
Num reino de falsidade

Essa história tem versões
De poeta afamado
José Camelo de Melo
É o mais reivindicado
Pela autoria dos versos
Por motivos adversos
Foi por outro aclamado.

Esse outro poeta foi
O Melquíades Ferreira
Que vendeu muito folheto.
João Camelo, na carreira
Desgostoso e bem zangado
Rasgou os versos guardados,
Que não venderam na feira

Tá chegando o Carnaval:
A temática é cordel.
O Salgueiro homenageia
Nosso vate menestrel
O poeta bem atento,
Acompanha o seguimento
Observando o plantel

Agora vem o Salgueiro
Com o Pavão Misterioso
Trazendo no seu desfile
Também Boi Misterioso
Tem zabumba, tem pandeiro
E tem velho mandingueiro:
Carnaval ambicioso

Pavão Misterioso chega
Na avenida, vem voando
Soltando as suas plumas
A arquibancada gritando:
Voa, voa meu Pavão
Hoje é dia do povão
O Pavão está abafando
(Rosário Pinto)

Abra o link e leia mais de 10 edições distintas e, realize suas pesquisas em:



SILVA, João Melquíades Ferreira da. História do pavão misterioso. Ed. Especial. Campina Grande: [s.n.], 1955. 32 p.
Observe a nota ao final do folheto:
Esta edição traz uma nota do poeta Abraão Batista acerca da autoria.
"Segundo Expedito Sebastião da Silva, poeta gráfico da antiga Editora de José Bernardo. João Melquíades plagiou o Pavão Misterioso, o "original" de José Camelo de Melo. O plágio vendeu melhor do que o original. A gráfica José Bernardo segui o gosto popular. José Camelo, desgostoso rasgou o seu original que perdera a concorrência" 

Viste ainda:

www.ablc.com.br
www.cnfcp.gov.br
http://rosarioecordel.blogspot.com
http://cantinhodadalinha.blogspot.com/

quarta-feira, 22 de junho de 2011

GRANDES NOMES DA POESIA DE CORDEL

CONHECENDO NOSSOS POETAS

JOÃO FERREIRA DE LIMA nasceu, em São José do Egito (PE), em 1902. Além de poeta, foi astrólogo. Autor do mais célebre almanaque popular nordestino, o Almanaque de Pernambuco, lançado em 1936, Alcançando entre 1936 e 1972 uma tiragem de mais de 70.000 exemplares. Percorreu vários temas da poesia popular, privilegiando as Discussões e Pelejas, publicou Discussão de dois poetas, Antônio da Cruz com José Cajarana(*) e, Peleja de João Athayíde com João Lima, do qual temos conhecimento de duas edições: uma de Recife, 1921 e outra, de Juazeiro do Norte, Tipografia São Francisco, 1957. Também abordou os temas de malandragem e presepada, cuja obra mais conhecida é As palhaçadas de João Grilo, folheto de 8 páginas, em sextílhas que, em 1948, foi ampliada por João Martins de Athayde para 32 páginas, em setílhas, sob o título de Proezas de João Grilo. Outros poetas abordaram a temática de presepada, esperteza e astúcia como, Francisco Sales Arêda, em As palhaçadas de Pedro Malazartes; Leandro Gomes de Barros, em A vida de Cancão de Fogo e seu testamento; e, Manoel Camilo dos Santos, em O sabido sem estudos e As aventuras de Pedro Quengo. João Grilo adquiriu renome internacional quando representado na peça teatral O auto da compadecida, de Ariano Suassuna.
Uma vertente em particular a ser notada na obra de João Ferreira de Lima é a crítica e a sátira social, quando após responder a todas as adivinhas propostas pelo Rei, que lhe concederia o benefício de instalar-se no castelo, João Grilo impõe à nobreza valores de caráter moralizante, como podemos observar nos versos:
...E então toda a repulsa
transformou-se de repente
o rei chamou-o pra mesa
como homem competente
consigo, dizia João:
na hora da refeição
vou ensinar esta gente.

E, continua sua lição nos versos que se seguem:

...Eu estando esfarrapado
ia comer na cozinha
mas como troquei de roupa
como junto com a rainha
vejo nisto um grande ultraje
homenageiam meu traje
e não a pessoa minha....

Esse “tal” João Grilo é a imagem do anti-herói como, Pedro Malazartes, João Malasarte e Pedro Quengo, personagens também abordadas pelos poetas João Martins de Athayde, Paulo Nunes Batista e Antônio Pauferro da Silva, com As perguntas do Rei e as respostas de João Grilo, dentre outros.
João Ferreira de Lima publicou poucos títulos, mas de grande qualidade e influenciou uma séria de grande autores com o seu João Grilo. Faleceu em Bezerros, em 1973.
Leia na íntegra o folheto: 
 (*) LIMA, João Ferreira de. Discussão de dois poetas, Antônio da Cruz com José Cajarana. [S.l.: s.n., 19--]. 8 p.
Disponível em: http://www.cnfcp.gov.br - Base de Dados > Acervos > C0193 e,


LIMA, João Ferreira de. As proezas de João Grilo. Fortaleza: Tupynanquim, 2001. 32 p.
Disponível em: http://www.cnfcp.gov.br - Base de Dados > Acervos > C5266.

  A partir destes links ou qualquer outro, você navega em toda a CORDELTECA - Memória da Literatura de Cordel, da Biblioteca Amadeu Amaral, do Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/CNFCP/Iphan/MinC.        
BOAS PESQUISAS

Rosário Pinto

Consulte ainda:


domingo, 19 de junho de 2011

Carnaval e cordel: isto vai dar samba!

A Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro levará para a avenida a literatura de cordel, como tema de seu samba-enredo. Concordo com o poeta Lobisomem: o fato de uma agremiação de escola de samba, do Rio de Janeiro, escolher com temática a literatura de cordel, é fato ÚNICO. Isto é motivo para comemoração e não para censuras. A literatura de cordel está em seu apogeu, o que faz com que possa ser apropriada por outras corretes da cultura popular e, se ocorre de forma espontânea, melhor. Afinal, a literatura de cordel chega ao palco universal da Marques de Sapucaí. Ao invés de ficarmos nos colocando numa posição defensiva, devemos procurar subsidiar, para que o espetáculo fique ainda mais brilhante.

A verdadeira arte só é arte, quando pode ser referencial para todos, de todas as camadas sociais, culturais, raças, profissões e feitios. Não é à toa que até os dias atuais os grandes escritores do passado permanecem vivos e atuais e, nos tocam, nos referenciam e dizem de nossas emoções e vivências... O momento é de conquista. O samba não precisa obedecer a critérios de composição poética -, afinal, é samba-enredo, com a temática da literatura de cordel, não ela própria. Vamos deixar o cordel embarcar nessa viagem misteriosa da Marques de Sapucaí. Vamos deixá-lo voar e conquistar novos ares e novos palcos... Quem sabe, daí sairá o interesse formador de novos leitores, poetas que possam manter viva essa cultura literária que vem lá de idos tempos - passando de geração em geração e mantendo-se bela, homogênea e transcendente. A nossa literatura não deve ficar presa aos seus criadores, precisar transcender, voar, voar, voar...

VAMOS SOLTAR ESSE PAVÃO MISTERIOSO NA AVENIDA

Beijos, amigos e confrades,
Rosário Pinto
Academia Brasileira de Literatura de Cordel

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Literatura de Cordel no Carnaval do Salgueiro 2012

 A vermelha e branca tijucana vai levar para a avenida o enredo "Cordel Branco e Encarnado", de autoria de Renato Lage e Márcia Lage.Sinopse do enrredo escrito em versos de cordel.
Salgueiro 2012
(Cheio de poesia, imaginação e encantamento)

Minha "fia", meu senhor
Deixa eu me apresentar
Sou poeta e meu valor
Vai na avenida passar
Basta imaginação
Um "cadim" de inspiração
Que eu começo a versar

Vou cantar a minha arte
Que nasceu bem lá distante
Num lugar que hoje é parte
Da nossa origem errante
Vim das bandas da Europa
Nas feiras, a boa trova
Era demais importante!

Foi assim que o mar cruzei
Na barca da encantaria
Chegou por aqui um Rei
Com bravura e poesia
Carlos Magno e o os doze pares
Desfilando pelos mares
Da mais real fidalguia

E veio toda a nobreza
Que um dia eu imaginei
Rainha, duque, princesa
E até quem eu não chamei:
Um medonho de um dragão
Irreal assombração
Dessa corte que eu sonhei

Também tem causo famoso
Que nasceu lá no Oriente
De um tal misterioso
Pavão alado imponente
Que cruza o céu de relance
Dois jovens, e um só romance
Vencendo o Conde inclemente

Todas essas histórias
Renasceram no sertão
Onde vive na memória
O eterno Lampião
E não houve um brasileiro
Que de Antônio Conselheiro
Não tivesse informação

Pra viajar no meu verso
É preciso ter "corage"
Vai que um bicho perverso
Surge que nem "visage"?
Nas matas sertão afora
Lobisomem, caipora
Que medo dessas "image"!!

Pra findar esse rebuliço
Rezar é a solução!
Valei-me meu "padim" Ciço!
Vá de retro, tentação!
Nossa Senhora eu não quero
(Tô sendo muito sincero)
Cair nas garras do cão!

E não é que meu santo é forte?
Cheguei ao céu divinal
É tamanha a minha sorte
A minha vitória afinal
É cantar com alegria
Fazer verso todo dia
Na terra do carnaval

Ao ver chegar a tal hora
Da minha "alegre" partida
Saudade, palavra agora
Tem posição garantida
Mas não se avexe meu irmão
Que hoje a coroação
Acontece é na avenida

Pois eles hão de herdar
Todo esse sertão sonhado
Monarcas que vão reinar
Na corte do Sol dourado
Poetas de tradição
Recebam de coração
Um cordel Branco e Encarnado

E agora eu vou sem medo
Fazer festa "de repente"
Vai nascer um samba-enredo
Pra animar toda a gente
Afinal, não sou melhor
Muito menos sou pior
Só um poeta diferente!

*
Renato Lage, Márcia Lage, Departamento Cultural

Fotos: Vicente Almeida e Gustavo Mello
Recebi por e-mail, enviado por Victor Alvim ( O cordelista Lobisomem) que afirma  que no sábado dia 18 de junho teremos em nossa plenária na ABLC a Diretoria Cultural do Salgueiro.
 

SÃO JOÃO NA ROÇA

SÃO JOÃO NA ROÇA

As fogueira ta chegando,
Eu to me preparando,
Pro mode dançar mas tu.

Vai ser um desmantelo
Nós dois naquele terreiro,
Na base do anarriê.
Na base do anavantu.

Já comprei teu chapéu de palha,
Tu camisa estampada.
Tua calça tá remendada,
Como manda a tradição.

Encomendei um corte de chita,
Dois laço encarnado de fita,
Quero ser a matuta mais bonita,
Nessa festa de São João.

Vai ser grande a alegria,
Nós dois dançando quadria,
Junto com nossa famia,
Que num arreda pé do sertão.

*
Texto e foto de Dalinha Catunda
Visite: www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Mano Melo em Poemas do Amor Eterno


Este convite é direcionado aos amigos que moram no Rio de Janeiro.
O poeta Mano Melo que escreve muito bem e tem uma performance que agrada aos mais exigentes gostos, lançará seu novo livro que tem como título: Poemas do Amor Eterno, sexta feira 17 de junho às 21h, no bar Alma Carioca que fica na praia de Botafogo 470 – entre Voluntários da Pátria e São Clemente.
Eu recomendo.

terça-feira, 14 de junho de 2011

ABLC - Participa de Encontro na UERJ - Campus São Gonçalo

João Batista, Mena, Gonçalo Ferreira, Maria Isaura, Dalinha Catunda, sentado Ivan Viana


Dalinha Catunda, Mena, Maria Rosário, Gonçalo Ferreira, Sepalo Campelo, João Batista e Ivan Viana
ABLC – Participa de Encontro na UERJ – Campus São Gonçalo
A convite da professora e pesquisadora Maria Isaura Rodrigues Pinto, alguns acadêmicos do colegiado da ABLC – Academia Brasileira de Literatura de Cordel e, seu presidente Gonçalo Ferreira da Silva compareceram a UERJ – Campus São Gonçalo, em 09-06-2011, para informar sobre o projeto: “Encontro de poetas e rodas de cantoria”, realizado em sua 2ª edição, na cidade do Rio de Janeiro, sob a temática; Homenagem aos Mestres da literatura de cordel.Este importante movimento da literatura de cordel tem nos oferecido a oportunidade de um intercâmbio maior entre cordelistas de outros Estados.
Produção Executiva: Fernando Silva Assumpção;
Realização: Academia Brasileira de Literatura de Cordel;
Patrocínio: Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro; e,
Apoio: Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/CNFCP.
Na UERJ, tivemos a presença do presidente da ABLC, Gonçalo Ferreira da Silva, acompanhado da Madrinha Mena, Maria Rosário Pinto apresentando o colegiado à platéia, Tivemos ainda animando a palestra: os cordelistas João Batista Melo, Dalinha Catunda, Sepalo Campelo e, o cantador e repentista Ivan Viana, de Reriutaba, Ceará, que fechou com chave de ouro o evento.
O SUCESSO foi garantido! Ao que agradecemos o convite da professora Maria Isaura e, esperamos manter este elo em constante movimentação.
Nota: Cordel de Saia
Imagens: acervo do blog
Temos sempre novidades em:


FESTAS DE SÃO JOÃO


Festas de São João

Com é gostoso se ver
No sertão das Ipueiras,
O sorriso das meninas,
Remexendo as cadeiras,
O forró correndo solto,
No faiscar das fogueiras.

É milho, é pamonha,
Caldo quente e canjica,
Rapaz tomando chegada,
Atrás de moça bonita.
Muita trança, muito laço,
No colorido das fitas.

O gritador toma fôlego
P’ra gritar sua quadrilha,
Pares dançam animados,
Sob aplausos da família,
É o são João do Nordeste
Sinônimo de maravilha.

Um grita: olha a chuva!
Outro: agora é o trancelim
Um rapazinho galante,
Acena e pisca p’ra mim.
E eu fico feliz da vida,
Vendo meu sertão assim.

É fogueira, é folia,
É forró e animação
Menino soltando traque
Rapaz soltando rojão,
É a cultura nordestina
Incendiando o sertão.
*
Texto e foto de Dalinha Catunda

segunda-feira, 13 de junho de 2011

ESSA FESTA VAI SER BOA...

Essa festa vai ser de arrepiar...

Moreira de Acopiara,

Pra essa festa vou correr,

Para aí estar presente.

Viajar ao amanhecer

Do distante, alcançável,

Para ao amigo rever.

 

PARABÉNS! Moreira de Acopiara, FELICIDADES!
.
O amigo Pedro Monteiro deixou aqui o seu abraço antecipado ao poeta amigo Moreira de Acopiara:
Minha maravilhosa amiga.
Abraçar Moreira de Acopiara, o aniversáriante é, antes de tudo, abraçar um amigo de todas as horas.
Abraçar você é também fortalecer os laços com a cultura popular.
.
Amiga Rosário Pinto
Eu venho aqui reforçar,
Que nossa arte precisa
A cada vez se afirmar.
E não vou marcar bobeira
Primeiro abraça o Moreira,
Para depois lhe abraçar.

 
MARIA FLOR

A terra se oferece à natureza
Buscando a sua polinização
E a ave executando a sua ação
Projeta o seu encanto com beleza.

A água formatando a correnteza
Desliza esplendorosa, sobre o chão
E o sol pra executar a oxidação
Transforma a clorofila com grandeza.

Num ventre abençoado por Maria
Vislumbro outra flor, que tem magia,
Criada com carinho e muito amor.

É ela, a doce rosa abençoada,
Que faz da meiga mãe a sua latada
E traz o nome de Maria Flor.
*
Dalinha, ontem nasceram os filhos do Klévisson Viana (um casal).
A menina, de nome Maria Flor, será minha afilhada.
Parabéns ao Compadre Klévisson e à Comadre Dulce.
*
Olá Sávio, obrigada pela boa notícia, o Cordel de Saia também parabeniza o casal, Klévisson e Dulce, E deseja um mundo de felicidades para os novos habitantes deste planeta.
*
Xilo de Marcelo Soares
Texto de Sávio Pinheiro

domingo, 12 de junho de 2011

Dia dos Namorados


Neste dia dos namorados nada melhor para respresentá-lo do que o Soneto de Fidelidade, do nosso poetinha maior - Vinícius de Moraes, que soube tudo de amor e de amar!
 
Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
(Vinicius de Moraes)

Santo Antônio ou São Gonçalo?




SANTO ANTÕNIO OU SÃO GONÇALO?

Meu querido Santo Antônio,
Vou lhe dar outra oportunidade
De me arranjar um marido.
E estou falando a verdade!
Ou vou apelar a outro Santo,
Que me faça essa caridade.

Há tempos que lhe recorro,
Sem ver nenhum resultado.
Pelo jeito o senhor anda
Desatento ou bem relaxado.
Quem sabe com tantos pedidos,
Foi deixando o meu de lado.

Acho que o senhor é mesmo,
Um santinho do pau ôco.
Eu peço, suplico, imploro
E o senhor de mim faz pouco.
Não atende o meu pedido
E eu continuo neste sufoco.

Só que agora eu descobri,
Que você tem concorrente.
Um santo casamenteiro,
Que é bem menos exigente,
Que se chama São Gonçalo,
E é muito mais eficiente.
*
Imagens: São Gonçalo do blog do Júnior Bonfim
Santo Antônio:retirada do blog hippopotamo.blogspot
Texto : Dalinha Catunda
Visite: www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Divulgação de Eventos


Neste dia 09/06, 5ª feira, a ABLC foi convidada pela UERJ/SÃO
GONÇALO, para discutir sobre o II Encontro de Poetas Populares e Rodas de Cantoria.
Produção Executiva: Fernando Assumpção;
Realização: Academia Brasileira de Literatura de Cordel;
Patrocínio: Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro; e,
Apoio: Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/CNFCP.
Temática do encontro:Homenagem ao Mestres da Literatura de Cordel:
Antonio de Araújo (Campinense);
Gonçalo Ferreira da Silva;
João Batista Melo
Manoel Monteiro;
Sepalo Campelo.
Contou com a participação de Dalinha Catunda, Rosário Pinto e Ivamberto Albuquerque;  na Roda de Cantoria o Encontro contou com a participação de Chico Salles.
x
O Governo do Estado
E sua secretaria
De cultura realizam
Com a nossa Academia
Este encontro de poetas
E Rodas de Cantoria
x
E a segunda edição
Deste luminoso evento
Para o poeta exibir
Seu fenomenal talento
Unindo a carga emotiva
Ao brilho do pensamento

x
Serão três inesquecíveis
Dias de muita alegria
De confraternização
Nos braços da poesia
Culminando com a plenária
Na sede da Academia
(Gonçalo Ferreira da Silva
Presidente da ABLC)
 x
A Difusão Cultural
Do CNFCP
Com carinho especial,
Queremos agradecer,
Ao incansável trabalho,
Com simetria no talho,
Fez o Encontro acontecer.
Rosário Pinto
(Acadêmica ABLC)
Navegue em:
http://rosarioecordel.blogspot.com
http://cantinhodadalinha.blogspot.com


segunda-feira, 6 de junho de 2011

CICLO DE PALESTRA

CICLO DE PALESTRA
O presidente da ABLC – Academia Brasileira de Literatura de Cordel, Gonçalo Ferreira da Silva, dando continuidade ao ciclo de palestra sobre “Vertentes e Evoluções da Literatura de Cordel”, se apresentará nos dias 13 e 14 de junho, no SESC Rondônia em Porto Velho em duas concorridas apresentações.
*
Foto e texto de Dalinha Catunda
Visite: www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com

Milho Colhido Verde


MILHO COLHIDO VERDE
*
PEDRO MONTEIRO - Piauí
*
O milho colhido verde
Tem o sabor sem igual!
Presente da natureza
No plantio do quintal,
Sara qualquer estressado,
É um voltar ao passado
Do jeito mais natural.
*
DALINHA CATUNDA - Ceará
*
O Milho colhido verde
Vira pamonha e canjica.
A mesa do sertanejo,
Com ele fica mais rica.
Sendo cozido ou assado
Alimentou meu passado
Boa saudade hoje fica.
*
JADSON XAVIER (JATÃO)
Umarizal-RG
*
O milho colhido verde
Dá um bolo sem igual.
Receita da minha avó,
Natural de Umarizal.
Hoje já falecida,
E de forma merecida
No reino celestial.

Imagem:dicasdecasablogspot.com
Versos de Pedro Monteiro e Dalinha Catunda
Visite também:www.cantinhodadalinha.blogspot.com
www.rosárioecordel.blogspot.com

domingo, 5 de junho de 2011

ABLC - Acadêmicos e Lançamentos


ABLC - ACADÊMICOS E LANÇAMENTOS
A ABLC, Academia Brasileira de Literatura de Cordel, em sua plenária que acontecerá em 18 de junho de 2011, terá em sua pauta dois importantes momentos:
O Lançamento do livro: Um Sonho de Liberdade, do poeta de cordel, William J.G. Pinto, natural de Palmeira dos Índios, AL, radicado no Rio de Janeiro, membro da ABLC, ocupando a cadeira nº 14, que tem como patrono o poeta Pacato Cordeiro Manso.
E outros lançamentos de cordéis encabeçados pelo o poeta cordelista, mineiro, membro da ABLC, Olegário Alfredo, o mestre Gaio. Veja os detalhes no convite postado. Clique no convite para aumentar o tamanho.