Seguidores

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

MULHER NO CORDEL - I


MOTE DE DALINHA CATUNDA
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar.
*
MULHER NO CORDEL
*
O homem é mestre no verso
E a mulher nunca se acanha
Rodando a saia com manha
Ingressa nesse universo
Encara tema diverso
Na cultura popular,
Ocupando seu lugar
E faz bem o seu papel
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar.
Dalinha Catunda 
A mulher é um ser pensante
igualzinha ao seu parceiro
tem um cérebro inteiro
pra pensar a seu talante
e somente um delirante
machista muito vulgar
pode assim discriminar
seu valor e seu laurel
se tem mulher no cordel
você tem que respeitar
Fred Monteiro
Hoje o tempo está mudado
Eu estou observando:
A mulher tá conquistando
Um direito consagrado
Homem mal acostumado
Tá na hora de mudar
Um recado eu vou mandar
Pra você que é menestrel 
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar
Aldemá de Morais
Tem mulher na prefeitura,
tem, também, na presidência
com garra, com competência
faz bela literatura;
demonstrou sua cultura
erudita e popular
com certeza, vai ganhar
o grande prêmio nobel
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar
Bastinha Job 
O direito à igualdade
Sempre foi nossa bandeira
Seguindo numa trincheira
Lutamos por liberdade
Dentro da sociedade
Marcamos nosso lugar
Conseguindo conquistar
Seu registro em papel
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar
Creusa Meira 
Exercendo a profissão
a mulher manda sua brasa
além de dona da casa
é chofer de caminhão,
Presidente da Nação
professora singular
dirige avião no ar
cria abelha e colhe o mel
se tem mulher no cordel
você tem que respeitar

Fred Monteiro
Quem foi que disse algum dia
Que poesia tem sexo?
Machismo hoje é complexo,
Do medíocre a nostalgia,
que não vê que a poesia
É gema por lapidar;
Se o homem sabe lavrar,
A mulher usa o cinzel.
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar.
Nezite Alencar
A mulher tem competência
no que faz e no que diz
e faz o homem feliz
marcando a sua existência
quando tem a consciência
e sabe como lutar
pra sua vida pautar
no mais digno papel
se tem mulher no cordel
você tem que respeitar
Fred Monteiro 
A linguagem feminina
Tem mais vez, voz e espaço
Saia, batom, flor e laço
Sobre a cultura se inclina
A musa achou outra sina
Outra forma de encantar:
Tramas de seda ao rimar
Em versos, xale e dossel
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar.
Josenir Lacerda
A mulher só aglutina
Com sua sabedoria
Canta noite, canta dia
Burilando sua rima
Tem calma, não desatina
O seu lema é cantar
O verso metrificar
Já provou não ser bedel
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar
Rosário Pinto
A mulher que vai além
É atual e competente
No Brasil é presidente
Em outras terras também
Na poesia, teve e tem
Histórias para contar
Já conquistou o seu lugar
De poeta e menestrel
Se tem mulher no cordel
Você tem que respeitar.
Ivamberto Albuquerque
 Amigos e amigas,

Estou lançando uma décima com mote, vamos exercitar nossa verve poética?
Mande para os comentários ou para ou para nosso e-mail particular.
 Texto e foto da Dalinha Catunda








quarta-feira, 26 de setembro de 2012

LIVRO DE GRAÇA NA PRAÇA

Dr José Flávio dando autografo a leitora ao lado de Wlisses Germano
Josenir Lacerda Apresentando ocordel de Francisco Adriano
Josenir mãe, Tâmara neta e Lusyennir filha
Distribuição de livro na praça
Projeto "Livro de Graça na Praça" chega ao Cariri Cearense.


Completa 10 anos, o brilhante projeto "Livro de Graça na Praça", idealizado pelo escritor José Mauro Lourenço da Costa e que acontece anualmente no segundo domingo do mês de setembro na Praça da Liberdade em Belo Horizonte onde são distribuídos milhares de livros.
No dia 22 de setembro, sábado passado, o Crato recebeu a visita do Professor José Mauro que numa parceria com a Academia dos Cordelistas do Crato realizou evento semelhante na Praça Siqueira Campos, onde foram distribuídos centenas de livros.
O evento foi revestido de êxito e certamente servirá de fértil semente para que outros iguais aconteçam. 
Texto e fotos da poeta cordelista Josenir Lacerda 

RELATO DE JOSÉ WALTER PIRES

Moreira de Acopiara, Zé Walter e Morais Moreira

Poeta José Walter Pires relata momentos na ABLC

"Aniversário de 20 anos da ABLC"

Como anunciado anteriormente, retorno da Cidade Maravilhosa, onde participei do aniversário de vinte anos da ABLC, no sábado dia 15/09, tendo gravado nessa feliz oportunidade um depoimento literário para o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), durante quase duas horas. Estou aguardando a remessa do vídeo para divulgação.

Presentes ao evento, na sede da Academia, poetas vindo de vários lugares, além de visitantes e da presença de Moraes Moreira, agora, reconhecido cordelista, como tem demonstrado, declamando em seus shows e nos livros publicados.
A solenidade foi dirigida pelo Presidente da ABLC, o poeta Gonçalo Ferreira da Silva, consagrado cordelista e defensor intimorato dessa literatura, que, graças a ele, o cordel ganha novas dimensões no cenário nacional, contando com apoio de outros poetas que também vão descortinando os mesmos horizontes na atualidade.
Participaram desse primeiro depoimento literário, além de mim, o cantador, cordelista, músico e poeta Beto Brito , piauiense, e Moreira do Acopiara, cearense residente, hoje, em São Paulo, versátil poeta, com várias obras publicadas , entre as quais “O Sertão é o meu lugar”, Editora Duna Dueto, 2011, que merece ser lida pelos amantes do cordel de todos os tempos.
De alguma forma, estou entre eles, ainda que modestamente, com as minhas produções, que primam pelas qualidades essenciais do cordel, sendo bem acolhido e mencionado por todos os presentes, em especial pelo carinho das poetisas amigas Rosário Pinto e Dalinha Catunda, ao lado de Fernando, um voluntário militante em prol dessa arte poética, pesquisador, que, em não sendo cordelista, dedica-se, além dos seus afazeres profissionais, a esse diletante prazer de amar e enaltecer a nossa ABLC.
A presença de Moraes Moreira, permitam-me dizer, deu um cunho significativo ao evento, ali permanecendo de forma descontraída e prazerosa, como revelou-me ao final, a ponto de mostrar-se inquieto e preocupado com a falta de apoio oficial e privado para a Academia.
No momento da minha fala, também pude revelar essa indignação, como tenho feito por onde passo, no sentido da valorização do cordel, integrando-o, definitivamente, à literatura brasileira, reconhecendo-se nos poetas cordelistas o mesmo status dos poetas canônicos, sem o dualismo preconceituoso, ainda presente nos meios artísticos e literários.
E para mostrar que poeta é poeta em qualquer circunstância revelei esses meus sentimentos em um singelo soneto, como poderia ter feito em veros de cordel.
"(...)
DESCORTINANDO FRONTEIRAS


Salve a literatura brasileira
De cordel, as raízes da cultura
Dessa gente alvissareira,
Que por longa história perdura

.
Salve, pois, essa fonte pioneira
De arte, numa singela tessitura
De versos, que de forma costumeira,
Dão ao cordel, legitima estrutura.

.

Do passado ao presente, destemido,
Mesmo diante das dificuldades,
Resistiu, sem jamais tombar, vencido. 

 
Mas, agora, o futuro definido,
É ir além das praças e feiras,
Descortinando espaços e fronteiras!"


*
 
José Walter Pires
Setembro de 2012 

*
Texto retirado do site da ABLC, foto do acervo de Dalinha Catunda

EM TEMPOS DE ELEIÇÃO

Dalinha Catunda no salão da casa grande Ipueiras-Ce

EM TEMPOS DE ELEIÇÃO
*
Vejam que situação:
Está chegando outubro
Sem vontade me descubro
 De votar nesta eleição
Pois vendo cada facção
Chego quase a vomitar
Meu desejo de votar
Desaparece na hora,
Eu lhe pergunto agora:
E você vai se arriscar?
Dalinha Catunda
*
Eu entendo esse seu drama
Dalinha, minha cara amiga
pois se uma coisa me intriga
é a feiúra da derrama
do dinheiro que proclama
a sujeira dessa gente
que engana um inocente
comprando seu voto assim
como quem compra capim
pra encher bucho de gente !

Fred Monteiro 
Foto do acervo de Dalinha Catunda

terça-feira, 25 de setembro de 2012

CAREQUINHA E FRED

 CAREQUINHA E FRED
*
O Recife agora tem
Um palhaço "DOIS EM UM"
e você já o conhece
não tem mistério nenhum
vou lhe explicar agora
é uma história comum
***
dia 31 de maio
nasceu meu netinho THEO
um menino muito esperto
que faz avô ir pro céu
e que tanto ri comigo
é engraçado pra dedéu
***
Quando chego perto dele
desata logo a risada
e eu também já começo
a lhe fazer palhaçada
e THEO ri de soluçar
com essa minha empreitada

****
Pois agora eu descobri
que a vocação já se mede
pela força do meu nome
que o destino concede
como eu raspo minha cabeça
virei CAREQUINHA e FRED !


Foto e texto de Fred Monteiro

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

ALÉM DA PRIMAVERA

ALÉM DA PRIMAVERA

De flores me vestirei
Seja em qualquer estação.
Não desistirei dos sonhos
Apostei nesta opção
Plantarei sempre alegria
Semear melancolia
Não tenho esta pretensão.
*
A primavera chegou
Sem o sol aparecer,
Mas flores de primavera
Bordaram o amanhecer
Debruçada na janela
Vejo quanto à vida é bela
Sinto seu resplandecer.
*
Amo as flores, amo a vida,
Independente de idade,
O plantio do passado
Colho na maturidade
E em qualquer estação
Bate bem meu coração
Buscando felicidade.
*
Texto e foto de Dalinha Catunda

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

ÁRVORES DO MEU SERTÃO


ÁRVORES DO MEU SERTÃO
*
Ceará tem aroeira
Tem angico e trapiá
Tem jurema e sabiá
Oiticica e ingazeira
Também tem carnaubeira
Tem cajá e cajueiro
Tem o verde juazeiro
Tem imburana e munguba
Mulungu e Timbaúba
Jucá e muito coqueiro.
*
Texto e foto de Dalinha Catunda 
Este é um carnaubal que preservo no meu sítio em Ipueiras-CE
21 de setembro dia daárvore