Seguidores

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

POVO FELIZ

“POVO FELIZ”
*
Nessa terra de políticos,
Que prezam nosso torrão
Que nunca lesaram a pátria
Que nunca foram ladrão
Eu aplaudo o eleitor
Que defende com ardor
Os santos desta nação.
*
A justiça é mesmo cega
Muito mais que eu supunha
Prender o pobre Cabral
O santo Eduardo Cunha
O Garotinho e Rosinha
Casal que não sai da linha
E nunca foi de mumunha.
*
Confesso que não suporto
Ver tanta judiação
Tanto político preso
E só por perseguição
Nesse Rio de Janeiro
Calou-se o padroeiro
Que é São Sebastião.
*
Sempre foi pura invenção
Essa história de propina
Caixas cheias de dinheiro
Só se fosse numa mina
Na meia e numa cueca
Só se fosse uma merreca
É acusação cretina.
*
Uma mala não é nada
Não vale a pena Temer
O homem foi vice de Dilma
Por isso está no poder
Não vamos caluniar
Quem nunca foi de roubar
Nem fez o povo sofrer.
*
O pior de tudo isso
Que me corta o coração
É denunciarem Lula
E chama-lo de Ladrão
Mas pelo seu argumento
Anda montado em jumento
Não tem no banco um tostão.
*
Porém suas amizades
Com boa situação
Apoiaram o probo Lula
E lhe deram condição
De governar o país
Mas um juiz infeliz
Botou todos na prisão.
*
Lula é cara arrojado
Que só pensa no futuro
Para lutar ao seu lado
Ele chamou bem seguro
Mulheres empoderadas
Todas bem engajadas
Mulheres de grelho duro.
*
Por isso eleitor engajado
Vamos botar pra quebrar
Desabonar a justiça
Com juiz esculhambar
Não deixar ex-presidente
Este Santo inocente
A justiça o engaiolar.
*
Vamos logo prender Bretas
E Sergio Moro também
Dallagnol e outros mais
E quem tentar ir além
Vamos colocar pressão
Porque temos eleição
E é no ano que vem.
*
Vamos constranger na rua
A globo e seus jornalistas
Embora todos saibam
Vocês não são anarquistas
Creem num homem de luz
Que se compara a Jesus
Icem bandeiras nas pistas!
*
E vamos desabonar
A polícia Federal
Fazer a mesma coisa
Com o Supremo tribunal
Soltar os caluniados
Para sermos comandados
Por um novo tribunal.
*
É hora de preparar
A Arca da Salvação
Se é com fogo ou com água
Certeza não tenho não
Não é só pressentimento
Eu vejo a cada momento
Sinais de destruição.
*
Versos de Dalinha Catunda

Charge: SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

MULHERES GLOSANDO O MOTE DE MEDEIROS BRAGA

MULHERES GLOSANDO O MOTE DE MEDEIROS BRAGA
*
DALINHA CATUNDA – Rio de Janeiro - RJ
Berço da mulher rendeira,
E de Maria Bonita.
A Raquel trouxe na escrita
Maria Moura Guerreira,
A força da brasileira,
A que enfrentou cada ardil!
Mostrando bem seu perfil
De forte mulher do agreste:
NÃO FORA NOSSO NORDESTE

SERIA POBRE O BRASIL.

*
BASTINHA JOB – Crato - Ce
O Ceará de Alencar

De Peri, de Iracema,
De Ceci prosa em poema
Do verde-azul do mar;
Tem o Ferreira Goulart,
Gonzagão, Gilberto Gil,
Patativa é nota mil
Nossa Arte é inconteste:
NÃO FORA NOSSO NORDESTE
SERIA POBRE O BRASIL

*
VÂNIA FREITAS – Fortaleza - Ce
O nordeste brasileiro

Banhado de sol e mar
Tem nas noites de luar
O canto do violeiro
Que embala nosso terreiro
Com seu verso mais sutil
Que encanta com mais de mil
O sul norte leste e oeste
NÃO FORA NOSSO NORDESTE
SERIA POBRE O BRASIL.
*

RÓSARIO PINTO – Rio de Janeiro -RJ
A mulher faz seu papel 

Escreve com linhas finas
Histórias de heroínas
Maneja bem o pincel
Em versos de menestrel.
São muitas na poesia,
E na prosa, em demasia,
Nos romances, mais de mil.
Do Norte até o Leste
NÃO FORA NOSSO NORDESTE
SERIA POBRE O BRASIL
*

DODORA PEREIRA DA SILVA – Juazeiro- Ce
Mulher guerreira e forte

Enfrenta o sol causticante
Com um sorriso intrigante
E o amor é seu suporte
O poeta é que tem sorte
Essa musa é nota mil
Contrastando o céu de anil
Com esse seu solo agreste
NÃO FORA NOSSO NORDESTE
SERIA POBRE O BRASIL

*
LNDICÁSSIA NASCIMENTO – Barbalha-Ce
O Nordeste brasileiro

É de fato um braço forte
Esse país tem é sorte
De não ser um estrangeiro
Sendo bravo e tão guerreiro
De arte e belezas mil
Nós traçamos o perfil
Do rico cabra da peste
NÃO FORA NOSSO NORDESTE
SERIA POBRE O BRASIL.

*
Xilo de Maércio Siqueira

Trabalho coordenado por Dalinha Catunda

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

VOU VIVER DO MEU JEITO

VOU VIVER SÓ DO MEU JEITO,
*
MARCOS MEDEIROS
Vou me embora pra distante
de onde a inveja mais permeia,
onde ver a vida alheia
é cada vez mais minguante.
Longe do gesto aviltante
da gritante inveja ativa,
tão danosa e tão nociva
pra todo e qualquer sujeito,
VOU VIVER SÓ DO MEU JEITO,
LONGE DA VIDA CATIVA.

*
DALINHA CATUNDA
Não vou fugir de querela
Porque ergo outra bandeira
Escancarei a porteira
Joguei no mato a tramela
A vida é mais do que bela
E me faz provocativa
Quem tem língua corrosiva
Desabono e desrespeito
VOU VIVER SÓ DO MEU JEITO,
LONGE DA VIDA CATIVA.

*
Mote de Marcos Medeiros

Xilo Erivaldo Ferreira

terça-feira, 28 de novembro de 2017

POETAS NO BRILHO DA LUZ


POETAS NO BRILHO DA LUZ
*
Rompendo a barra do dia
Vejo o sol aparecer
Levanto-me com prazer
Pois viver me contagia
O sol transmite energia
Eu aspiro a sua luz
Esse brilho me conduz
Em cada nova jornada
Sou mulher iluminada
Pois a vida me seduz.
Dalinha Catunda
*
Você é como uma luz
Iluminando a poesia
A bela rima conduz
Seu estilo contagia:
O seu dom nos contamina
Poetar é sua sina
Versejar seu universo
De catarse e emoção
Do real da ficção
De pé, aplaudo o seu verso!

Bastinha Job
*
No primeiro despertar
Me visto de lucidez
Ao romper a sensatez
Da aurora ao madrugar
Insípida ao declamar
A poesia é um pranto
Vestida com este manto
Sinto saudade do dia
Da noite que fez magia
Com o toque de acalanto.

Lindicássia Nascimento
*
 Vou falar em alto som 
Pra viver é muito duro 
Ninguém sabe do futuro 
Se vai ser ruim ou ser bom 
Saiba que Deus dá o dom 
Aquele que merecer 
Pra onde a gente correr 
Não tá livre do perigo 
Por isso eu sempre digo 
Como é difícil viver 

Dão de Jaime
*
Vendo o dia amanhecer
Renovo minha esperança
De ter paz e ter a bonança
Pra poder melhor viver.
Vou também agradecer
Pela família e a guarida
Pelos amigos na vida
E o pão que Deus me deu,
Por tudo que concedeu
Me sinto assim bem servida.

Rosário Lustosa
*
Nascimento é o começo
De uma estrada finita,
Sem nenhuma regra escrita
Sem destino ou endereço.
Cada escolha tem um preço
Nenhum de nós é isento,
De alegria ou sofrimento
Se o passado é bem deserto,
Nosso futuro é incerto,
A vida é só o momento.

Esaú Nunes



quarta-feira, 22 de novembro de 2017

CHICA UMA FLOR DO CARIRI

CHICA UMA FLOR DO CARIRI
*
A Chica amiga e parceira,
É do “FLOR DO CARIRI”
Canta dança e é faceira
Só cozinha com pequi.
*
Chica faz chapéu de couro
Bolo feito com fubá
Já provei é só o ouro
Tradição no Ceará.
*
E em “Bolsa de Mulher”
Esnoba e se faz de Rica
Fazendo bem o que quer
A atriz chamada Chica.
*
Chica é flor sem espinho
No grupo de tradição
A Chica com meu carinho
Eu faço essa louvação.
*
Versos e Fotos de Dalinha Catunda

Parabéns, saúde e muitas felicidades Hoje e sempre Chica.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

OBRIGADA, JUNINA ALEGRIA DO SERTÃO


OBRIGADA, JUNINA ALEGRIA DO SERTÃO
*
Uma surpresa agradável
Me deixou emocionada
Por ideia de Franzé
Eu fui homenageada
“ALEGRIA DO SERTÃO”
Grupo que dança São João
Fez uma festa arretada.
*
Foi replena de alegria
Que o convite eu aceitei
Na Praça do Vamos Ver
Com gosto me apresentei
A praça ornamentada
Completamente tomada
Comoveu-me pra valer.
*
Teve rifa, teve bingo,
Como manda a tradição
Teve creme de galinha
Mungunzá na ocasião
No cenário pote e chita
A praça estava bonita
Chamava mesmo atenção.
*
E o evento começou
Com a roda de leitura
“CACIMBA DE POESIA”
Trazia nossa cultura
Os jovens lendo cordel
Fizeram belo papel
Não faltou desenvoltura.
*
Eu fiquei emocionada
Na hora de me exibir
Às vezes até dava branco
Mas não deixei de sorrir
A plateia era primeira
Entrava na brincadeira
Escorreguei sem cair.
*
Ali me reconheci
No meio da minha gente
Moro no Rio de Janeiro
Porém não sou diferente
Trazer meu cordel pra praça
Ver o povo achando graça
Me deixou muito contente.
*
Vi os jovens engajados
Pensando na tradição
Vi o esforço de Franzé
Pra manter a união
Do grupo que ele escolheu
Determinado acolheu
Para botar em ação.
*
Boas atrações tivemos
Na noite tão animada
Os versos de dona Iracema
Lidos naquela empreitada
Também Nicolle Oliveira
Que nos versos faz carreira
E está bem encaminhada.
*
Quero aqui agradecer
O meu amigo Edgar
Que passou o tempo inteiro
Sempre a me fotografar
As fotos aqui postadas
Foram por ele tiradas
Vive sempre a me agradar.
*
Franzé, meu muito obrigada.
Pela consideração
Pela bela homenagem
E pela divulgação
Do cordel literatura
Arte da nossa cultura
Que canta o nosso sertão.
*
Versos de Dalinha Catunda
Fotos de Edgar Silva







CORDEL EM IPUEIRAS



Da agenda Cultural em Ipueiras
A convite da professora Juscelina Bonfim, participei da IV FEIRA DE CIÊNCIAS EEEP DARIO FONTENELE 2017, no Stand Letramento.
Dentro das atividades culturais tivemos apresentações de cordel, poema, conto e música enriquecendo o espaço muito bem decorado para ocasião.
No segundo momento, o CHÁ LITERÁRIO trouxe uma significante roda de conversa sobre literatura, com abordagem, maior para a Literatura de Cordel.
Finalizamos na TENDA DA OFICINA, oficina com professores da área de linguagem sobre Letramento Literário.
Fiquei muito contente com o convite. Declamei para os alunos, debati sobre literatura de cordel e participei da oficina literária.
Poder repassar meus conhecimentos sobre cordel, abrir as portas para nossa cultura popular, repassar que somos uma literatura popular, sim, mas que, acima de tudo temos regras e para que seja cordel, o poeta que escreve tem que seguir o que reza a cartilha dessa literatura ou não é cordel.
Meus agradecimentos a professora Juscelina Bonfim e através da mesma quero parabenizar a todos que lá estavam participando deste importante projeto.
*

Dalinha Catunda