Seguidores

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Posse de Anilda Figueiredo na ABLC



A posse de Anilda Figueiredo
Quero aqui neste espaço agradecer a presença daqueles que aceitaram o convite e participaram da posse da acadêmica, Maria Anilda Figueiredo, de quem fui madrinha.
O salão da Federação das academias do Brasil lotou e num clima de alegria transcorreu a plenária.
Além dos confrades, amigos e políticos tivemos na participação dos familiares de Maria Anilda uma boa representação do Crato.
Representando a biblioteca do congresso americano contamos com a Sra. Debra Mckern, diretora do escritório da Library of Congress do Rio de Janeiro, a diretora, Marli Soares, responsável pelos cordéis e Carla Maia, chefe dos setores de aquisição e catalogação do escritório.
Meu muito obrigada a todos que atenderam ao meu convite.
Dalinha Catunda

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Cordéis de Adelmo Vasconcelos

CORDÉIS DE ADELMO VASCONCELOS
*
Dom Adelmo Vasconcelos
Agradeço a gentileza
Seus cordéis já recebi
E os achei uma beleza
Cada página virada
Eu ficava encantada
Atenta a sua destreza.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

terça-feira, 9 de setembro de 2014

ABLC - VINTE SEIS ANOS

ABLC - VINTE E SEIS ANOS
.
Gonçalo Ferreira da Silva
*
A nossa iniciativa
A vinte e seis anos antes
Teve momentos brilhantes
Pela força criativa
E inteligência viva
De luminosos decanos
Que consolidando planos
Nos deram muita alegria
Hoje nossa academia
Festeja vinte e seis anos.
.
Dalinha Catunda
*
Vinte seis anos completa,
Essa nossa academia
É motivo de alegria
De orgulho estou repleta
Da cultura sou atleta
Suando em cada jornada
Para ver condecorada
A literatura de cordel
Que cumpre bem seu papel
A cada nova passada.
*
GILMAR FERREIRA
*
 E destes vinte e seis anos
Há oito eu faço parte.
Com fé, coragem e arte

Nunca senti desenganos.
E sempre esteve em meus planos
Honrar nossa Academia,
Que é como a luz do dia!
E a poesia ilumina!
E à Cultura se destina!
Com raça, graça e magia!
*
Foto de Dalinha Catunda
Logomarca da ABLC

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Dalinha Catunda & Sávio Pinheiro


DALINHA CATUNDA E SÁVIO PINHEIRO              
*
DALINHA CATUNDA
*
Sávio doutor do cordel
É homem de muita crença
Junto com Alceu Valença
Que é cantor e menestrel
Fizeram belo papel
E quem assistiu gostou
Pois Sávio, Alceu levou,
Ao mais sagrado roteiro
E NO CHÃO DE JUAZEIRO
 PRA REZAR SE AJOELHOU.
*
SÁVIO PINHEIRO
*
Meu Padim Ciço Romão
Quero muito agradecer
Pelo enorme prazer
De expor esta canção.
Faço, a ti, grata oração 
Pelo bem que derramou.
Alceu Valença encantou
Num versejar verdadeiro
E NO CHÃO DE JUAZEIRO
PRA REZAR SE AJOELHOU.
*
Foto de Sávio Pinheiro

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

UMA PLENÁRIA PARA MANOEL MONTEIRO

Zé Walter, Dalinha, Morais Moreira, Rosário e Gonçalo Ferreira.
Dalinha Catunda, José Walter e Rosário Pinto
Sepalo Campelo, Dalinha Catunda e Ivamberto Albuquerque
Zé Walter  Campinesse, Chico Salles Fernando e Wlliam G. Pinto   


Homenagem da ABLC ao poeta Manoel Monteiro
A plenária da ABLC - Academia Brasileira de Literatura de Cordel, em homenagem ao poeta Manoel Monteiro, teve uma ótima frequência, confirmando assim, a importância desse vate na literatura de cordel.
O presidente da ABLC, Gonçalo Ferreira da Silva, abriu a sessão falando da importância do homenageado, em seguida convidou cada poeta presente a ler suas estrofes.
As estrofes dos poetas distantes foram lidas por membros da ABLC.
Chico Sales leu a mensagem do poeta convidado Marcelo Soares.
Marcus Lucena leu a mensagem de Marlos de Herval Lima e Silva.
Alba Helena leu a mensagem da poetisa Josenir Lacerda.
Dalinha Catunda leu a mensagem do médico poeta de Sávio Pinheiro.
Morais Moreira Leu a mensagem do poeta Guaipuan Vieira.
No final das homenagens li os oportunos versos do poeta Medeiros Braga.
A reunião chegou ao fim entre animados bate-papos, fotos e degustações.
*
Texto e fotos de Dalinha Catunda

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Adelmo Vasconcelos & Dalinha Catunda

   









O PINTO AGITADO
*
ADELMO VASCONCELOS
*
Eu posso dizer, não minto
Que eu vi dona galinha
Falar ligeiro pro galo
Esse aí, é cria minha
Ele é muito agitado
Sempre foi mal-educado
Um verdadeiro pestinha.
*
DALINHA CATUNDA
*
O galo logo pensou:
Este aí puxou a mim!
Eu também era agitado,
E ele nasceu assim.
Se não fugir do terreiro
Dá conta do galinheiro
Do começo até o fim.
*
ADELMO VASCONCELOS
*
Eu aprendi Mandarim
Para ir até a China
Quero levar esse pinto
Cujo piado ensina
Inglês, até alemão
Se ele disser, vou não
Na panela, ele termina.
*
DALINHA CATUNDA
*
Tenho medo na verdade
Que este pinto sucumba
Nunca aprendeu a piar
E gosta duma quizumba
Aposto que este pinto
Filho do galo retinto
Não presta nem pra macumba.
*
 ADELMO VASCONCELOS
*
Esse pinto já famoso
Não pode sair DA LINHA
Fazer compras no mercado
Ir até uma festinha
Querer se tornar artista
Falar e dar entrevista
No programa do Bolinha.
*
 DALINHA CATUNDA
*
Este pinto não tem raça
Nem vai pra televisão
Bem antes de virar galo
Transformo o mesmo em capão
Depois prendo pra engordar
E o pescoço vou puxar
Pra botar no caldeirão.
*

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Tributo a Manoel Monteiro na plenária de agosto

Caros poetas e confrades da ABLC, Academia Brasileira de Literatura de Cordel,
Quarta-feira dia 20 de agosto às 16:00, a ABLC estará fazendo uma merecida homenagem ao poeta Manoel Monteiro que soube como ninguém prestigiar e propagar a literatura de cordel imputando a mesma a importância cabida.
A plenária que acontecerá na Confederação das Academias,
Rua: Teixeira de Freitas nº 5 – 3º andar - Bairro: Lapa – Rio de Janeiro – RJ
Será exclusivamente sobre o nobre acadêmico Manoel Monteiro, que tanto nos honrou ocupando a cadeira nº 38 que tem como patrono Manoel Tomaz de Assis.
Agradeço aos acadêmicos e convidados que se dispuseram a participar do cordel: “Tributo a Manoel Monteiro” que será lançado nesta plenária de agosto.
Atenciosamente,
Dalinha Catunda