Seguidores

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Cordel de Saia recebe Morais Moreira

CORDEL DE SAIA recebeu do poeta Zé Walter Pires o poema de autoria de seu irmão, o poeta, cantor e músico Moraes Moreira. Agradecemos o carinho de Moraes e Zé Walter pelo carinho.


Cordel de Saia
*
Eu não tô nessa de gênero
Eu quero O Cordel de Saia
Eu falo de um sentimento
Que não é fogo de “paia”
Mulher é só poesia
Em qualquer hora do dia
E até quando sol desmaia
*
No tempo dessa clareza
Eu quero a luz da manhã
Nós somos sim duas bandas
Formando uma só maçã
Ninguém segura esses lados
Só querem viver colados
E se atraem como um imã
*
Não fosse Maria Bonita
Quem seria Lampião?
Talvez só um cangaceiro
Sem amor no coração
A mulher é uma uva
E cai assim como chuva
Na seca do meu sertão
*
Rodando a sua baiana
Almejo ver o cordel
Aqui, acolá eu já vejo
Homens tirando o chapéu
Verseja mulher, verseja
Brilhando em qualquer peleja
Feito uma estrela no céu
*
No decorrer da história
A vida, a humanidade
Fizeram de muitas delas
Heroínas de verdade
E como elas foram dignas
Quebrando sim, paradigmas
Da nossa sociedade
*
Mulheres em verso e prosa
Raquel, Clarice, Cecília
Dona Cora Coralina
Vejam que maravilha
Sem me esquecer das Amélias
Diná, Raquel e Adélias
De quem Elisa é filha?
*
É dura a realidade
As vezes é muito triste
Saber que existem lugares
Onde a mulher não existe
Diante dessa parada
Se muitas não fazem nada
Há outras de dedo em riste
*
Por isso minhas senhoras
Enfrentem esses senhores
Na plenitude do ser
Sem ser Maria das Dores
Assumam o seu papel
Nas sílabas de um cordel
Vivendo só de esplendores.
*
Moraes Moreira
Rio de Janeiro/dez/11

Nenhum comentário:

Postar um comentário