Seguidores

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O SERTANEJO

Sertão de Ipueiras-Ceará
O SERTANEJO



O Sertanejo quando sai

Do seu querido torrão,

Só sai porque necessita,

Sai porque tem precisão.

Se fosse mesmo por gosto,

Jamais deixaria seu chão.



Nos alforjes carregados

Transporta tristeza e dor.

Saudades da lua cheia,

Das noites no interior.

Do amanhecer do dia

Com galo despertador.



Com olhos marejados,

Lacrimeja de emoção.

Quando escuta no rádio

Ou mesmo na televisão,

Canções que antes ouvia

Em seu saudoso sertão.



Dói na alma dói no peito,

É bem grande a emoção,

Do “sertanejo que é forte”,

Mas vira menino chorão,

Se sente a saudade telúrica

Batendo em seu coração.
 
Texto e foto de: Dalinha Catunda
Visite também: www.cantinhodadalinha.blogspot.com

3 comentários:

  1. Muito lindo esse texto da Dalinha! beijos às duas,chica

    ResponderExcluir
  2. Caramba, sempre que leio alguma coisa da Dalinha fico emocionado pois me transporto la pro meu Piauí.
    Versos lindo, parabens!!!

    ResponderExcluir