Seguidores

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

O BURRO E O DEPUTADO

Anilda Figueiredo, presidente da ACC, e Luciano Carneiro


LUCIANO CARNEIRO

O folheto de cordel “O burro e o deputado” é um dos cinquenta títulos de autoria do poeta Luciano Carneiro que é um dos membros da Academia de Cordelistas do Crato, ocupando a cadeira de n° 2.

Em 1995, no Ceará, um deputado teve a “brilhante” ideia de criar uma lei que proibisse a utilização de animais puxando carroças e transportando cargas, nas ruas, avenidas e rodovias do Estado. Inclusive, esse projeto contou com o apoio da Sociedade Protetora dos Animais.

O poeta Luciano Carneiro participou de um Sarau que aconteceu sexta-feira passada, 25 de janeiro de 2013, na Bienal da UNE, realizada em Olinda, na Praça do Carmo. Além de Luciano Carneiro, abrilhantaram esse evento os poetas Dedé Monteiro e Chico Pedrosa e as poetisas Mariane Bigio e Luna Vitrolira, que deram um show de poesias, o que já era esperado e que eu tive a felicidade de assistir.

A novidade pra mim foi o poeta cordelista Luciano Carneiro, que eu ainda não conhecia e que fiquei encantado com seu cordel. Eis Cordel “O Burro e o Deputado”:

O BURRO E O DEPUTADO



O deputado e o burro
Tão num impasse danado
Vão findar trocando murro
O burro e o deputado
O burro quer trabaiá
O dotô num qué deixá
Diz que a carroça é pesada
Porém o burro enfezado
Diz que não é deputado
Pra ganhar sem fazê nada.

O burro inda diz assim
Eu trabaio pro meu patrão
Mais ele mim dá capim
Mim dá remédio e ração
Dá água bãe e vacina
E só me aprica disciprina
Quando invento bestêra
E você, seu deputado
Ee fosse disciprinado
Agia douta manêra.

Burro, cavalo e jumento
Tem mais é que bataiá
Se for no seu argumento
De vivê sem trabaiá
De disprezá o seu dono
Lhe deixá no abandono
Eles vai tranca o roçado
Tem razão, que a roça é sua
E joga nóis no mei da rua
Pra morrê atropelado

E será se essa tá
De proteção dos animais
Tem roçado, tem quintá
Cum água e cum capinzais?
Pra nóis vivê só cumeno
Bebeno água e correno
Tudo gordo e bem zelado
Viveno uma vida incrive
Iguá a que o senhô vive
Na câmara dos deputado?

Será que os dono da gente
Tem a merma opinião?
Que tem o seu presidente
O chefe dessa nação
Que cobra imposto danado
Do pobre lá do roçado
Do piqueno comerciante
Pra todo finá de mês
Pagá um montão pra vocês
Só pruquê são importante?

Eu num reparo o sinhô
Sê dotô, seu deputado
Esquecê seus inleitô
Que veve disagregado
Ou trabaiano na roça
Ou mermo nu’a carroça
Cuma meu patrãozim faiz
Tentano sobrevivê
Mas deixe de meter
Na vida dos animais.

Vá criá projeto novo
Vá cuidá doutos assunto
Fazê morada pro povo
Vá douto, fazê conjunto
Vá ajeitar as estrada
Que tão tudo esburacada
Dão má pra gente passá
Ou então fique parado
Ganhano seu ordenado
Mais deixe nóis trabaiá.

Parece que o sinhô
É mais burro do que eu
Que diabo é isso douto
O que foi que aconteceu?
E o pobe do deputado
Oiô pro burro ispantado
Sem tê o que respondê.
Findô falano pro burro:
- Se você me dé um murro
Eu dô um coice in você.
*
Matéria foi retirada do Jornal Besta Fubana postada por Ismael Gaião  em sua página Colcha de Retalhos. Foto de Quéops Arsênio.
Um detalhe: A apresentação deste cordel foi obra da poeta e cordelista Josenir Lacerda.
 



5 comentários:

  1. Obrigada a Ismael Gaião e a Dalinha Catunda pelo reconhecimento à arte do nosso mestre de cultura Luciano Carneiro, que tem representado muito bem a poética do cordel em vários locais do Brasil.

    Josenir Lacerda - Crato-CE

    ResponderExcluir
  2. Querida poeta Josenir,

    É um prazer grande divulgar esta arte que é a literatura de cordel. Creia, fico muito feliz quando vejo um poeta cair no gosto do povo, ainda mais sendo do Ceará e do Cariri.
    Esta postagem, além de ter sido publicada no Besta Fubana, foi postada, através do Cordel de Saia, no blog Beth Baltar.
    Meu abraço a esta gente boa Crato.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Fico muito feliz em ver Luciano Carneiro levando seus versos pelo Brasil, e com eles um pouco da cultura nordestina. Tive o prazer de fazer uma pesquisa com as obras dele, para um trabalho de término de curso, que por sinal foi muito gratificante. Luciano é com certeza um mestre da poesia!

    ResponderExcluir
  5. Querida Dalinha,

    Gostaria que vc postasse a mensagem seguinte, no blog Cordel de Saia, pois não consegui ainda.
    Muito grata, desde já.


    Luciano Carneiro é uma relíquia da Academia dos Cordelistas do Crato. Aonde vai, dá o seu recado, de forma prazerosa e inteligente, seja qual for o tema abordado.
    Parabéns ao Luciano, parabéns ao Codel de Saia, Dalinha e toda a equipe desse blog.

    Anilda Figueiredo (Academia dos Cordelistas do Crato)

    ResponderExcluir