Seguidores

domingo, 15 de abril de 2012

O GALO DA DALINHA - PELEJA COLETIVA


Amigos,
Estou chegando do Ceará, dei uma rápida passada em Crato, para assinalar mais um ponto, neste tão desejado intercâmbio entre cordelistas da ACC – Academia dos Cordelistas do Crato e ABLC - Academia Brasileira de Literatura de Cordel.
Com apresentação de Luciano Carneiro, xilo de Maércio Lopes e ação conjunta de Josenir Lacerda, Anilda Figueiredo e eu, Dalinha Catunda, editamos uma peleja coletiva concretizando assim, esta interação entre as duas Academias.
Quero agradecer a todos que pegaram carona nesta minha viagem.


Da esquerda para direita:Teresa, o casal Miguel Josenir e Dalinha Catunda, na casa ecológica de nossa amiga Fanca
  APRESENTAÇÃO

 Este trabalho foi feito
Com sutileza e magia
A inclusão graciosa
Da brincadeira sadia
Cumprimos todas as metas
Deus só permite aos poetas
Brincar com a poesia.

Parabenizo a Dalinha
Pela iniciativa
E a todos que fizeram
Parte desta comitiva
Com o astral lá em cima
Brincamos com métrica e rima
Ficou bela a narrativa.
Luciano Carneiro
     (Da Academia dos Cordelistas do Crato)
*
O GALO DE DALINHA
1
Lá em casa tinha um galo
Que era a figura do cão
Por ser um galo tarado
Não faltava animação
Bagunçou o galinheiro
Provocou grande salseiro
Fez a maior confusão
Dalinha Catunda.
2
Eu me criei no sertão
Vendo mãe deitar galinha
Galo subir no poleiro
Todo dia à tardezinha
Vi muito macho danado
Mas não vi galo tarado
Como o galo de Dalinha
(Aldemá de Morais)
3
Aldemá este meu galo
É galo de estimação
Foi presente do meu pai,
Que arrematou num leilão
Mas já fez tanta marmota,
Deixou galinha cambota
Não dispensou nem capão.
(Dalinha Catunda)
4
No terreiro de vovó
Lembro era só o que tinha
Pedrês, suru, indiano
Pato peru e galinha
Até frango delicado
Só não vi galo tarado
Feito o galo de Dalinha
(Josenir Lacerda)
5
Josenir se esse meu galo
Visse toda esta fartura
Sua querida vovó
Certamente ia a loucura
Pois meu galo esfomeado
Para não deixar de lado
Papou até saracura.
(Dalinha Catunda)
6
Sou da família dos Pinto
Onde reina só pintinha,
Não tem galo sem vergonha
Correndo atrás de galinha
Nem arruaçando os Pinto
Nesta peleja não minto
Como o galo da Dalinha
(Rosário Pinto)
7
Meu galo você não come,
E nem dele faz pirão.
Seu pinto pode socar
Ou levar pro maranhão.
Mas deixe suas pintinhas
E se puder as galinhas
Para meu galo pimpão.
Dalinha Catunda
8
Em minha casa apareceu
Um galo muito catito
Minha galinha comeu
E papou meu periquito
E ele falou: Bastinha
Sou o galo de Dalinha
como tudo cru ou frito!
Bastinha Job
9
Ô Bastinha, este meu galo
Só tendo pauta com o cão,
Papar o seu periquito!
Que desconsideração,
Mas eu soube que a galinha
Se rebolava todinha
Querendo repetição.
Dalinha Catunda
10
Eu tinha uma pinta sura
que mandava no terreiro
a bicha tinha esporão
que assustava o galinheiro
deu tanta surra em galinha
que o galo de Dalinha
baixou a crista ligeiro.
 Anilda Figueiredo
11
O meu galo baixou a crista,
Quando viu o esporão,
Só porque a sura de Anilda
Deve ter até culhão!
E tirou o seu da reta
Dando uma de atleta,
Correu mais do que ladrão.
Dalinha Catunda
12
Galo que é galo não voa
Pra não perder a festinha
Papando lá no terreiro
Galinha e franga novinha
O dono da casa aposta
Não há galinha composta
Vendo o galo de Dalinha.
Gildemar Ponte.
13
Gildemar este meu galo,
É cheio de presepada,
Pegou a galinha pedrês
Debaixo de uma latada
E uma galinha amarela
Teve que ir pra panela,
Pois ficou escambichada
Dalinha Catunda
14
De grão em grão o meu galo
Visita cada poleiro
Come quieto de mansinho
É um Dom Juan  fuleiro
Feito o galo de Dalinha
Ele sempre perde a linha
Quando o assunto é galinheiro
(Ulisses Germano)
15
Este teu galo quietinho
Este teu Dom Juan fuleiro
Que anda comendo calado
O que vê no galinheiro
Digo sem medo de errar
Tu mandaste encomendar
No triângulo mineiro.
(Dalinha Catunda)
16
Eu tinha um frango bonito
Foi presente da vizinha,
Competia com o galo
namorando a Pintadinha,
mas meu frango arrupiado
nunca foi assim tarado
como o galo da Dalinha.
 (Nezite Alencar)
17
No terreiro do meu galo
Nunca teve competição
O bicho nunca cansava
E nem perdia o tesão
Confesso que vi, Nezite,
Ele cheio de apetite
Traçando um belo pavão.
(Dalinha Catunda)
18
A minha vó tinha um galo
pior que galo guerrinha;
traçava perua e pata,
capota e até rolinha,
nada pôde lhe parar
só não conseguiu traçar
foi o galo da Dalinha.
(Raul Poeta)
19
Este teu galo Raul,
Que gosta d’uma rolinha
Me deixou preocupada.
Acho que ele é mariquinha
Lamento ser tão cruel,
Mas ele queima o anel
E não encara uma rinha.
Dalinha Catunda
20
Ouvi dizer duma franga
 Pedrês, toda arrumadinha,
 Que não quer se transformar
 Jamais em uma galinha
 Com ela só vai casando.
 Diz que tá quase noivando
 Com o galo de Dalinha.
( Williana Brito Matos)
21
Esta franguinha romântica,
Que vive em vão a sonhar
Vai ficar no caritó
E nunca vai se casar
Pois meu galo é vacinado
Não casa nem amarrado
Eu posso lhe assegurar
(Dalinha Catunda)
22
Também vou contar um "causo"
lá dos fundos da cozinha
de um galo do meu terreiro
com ciúme da galinha
tarado e muito valente
que corria atrás da gente
parecendo o de Dalinha
(Rosário Lustosa)
23
Querida amiga Rosário
Este galo bem ciumento
Pra você deve ter sido
Causa de grande tormento
Com este meu galo tarado
Eu tenho é rebolado
Para ter discernimento.
Dalinha Catunda
24
Este galo de Dalinha
Come tudo que tem pena
Pato, capote, galinha
E periquita pequena
É um grande “pegador”
Come até espanador
Se entrar no seu esquema
João Nicodemos
25
Este galo aprontou tanto
Aprontou mesmo de fato
Aprendeu até a nadar
Só para papar um pato
Andou afogando o ganso
Ao peru não deu descanso
Mas o meu galo não mato.
Dalinha Catunda
26
A Dalinha tem um galo
Ele é fogoso e matreiro
Fica sempre na espreita
Bem de baixo do poleiro
É, as galinhas descendo
E o bicho lhe vencendo
Na vara do marmeleiro.
(Ivamberto Albuquerque)
27
Ivamberto este meu galo,
Desce a ripa nas galinhas.
Tanto pega as bem cevadas
Como pega as bem magrinhas
Gosta de vadiação
Jamais perde seu tesão
E dispensa as camisinhas.
(Dalinha Catunda)
28
Amigos esse meu galo
Sempre bem fora da linha
Juntou todos meus amigos
E todos na mesma rinha
Achei que a briga foi boa
Cada um com sua loa,
Para o galo da Dalinha.
Dalinha Catunda

Um comentário:

  1. Valei-me Nossa Senhora
    Que galo danado o de Dalinha,
    No terreiro da cordelista
    Não respeita nenhuma galinha.
    Que peste mais tarado,
    Parece um touro indiabrado,
    Correndo atrás das bichinhas.

    ResponderExcluir