Seguidores

sexta-feira, 18 de junho de 2021

JÁ SE FOI A JUVENTUDE MAS PROSSIGO A NAMORAR



.

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Mote de Dalinha Catunda

*

Se suspiro apaixonada

É porque adoro a vida

Não vivo desiludida

Sempre adorno a caminhada

Não sou mulher mal-amada

E nesse meu versejar

Monto palco pra atuar

Com coragem e atitude

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Mote e glosa Dalinha Catunda

 

*

Tenho forte coração

poesia no carinho

Vou seguindo meu caminho

Repleto de emoção

Afinando o violão

Lindo sem desafinar

Conjugando o verbo amar

Com o s da saúde

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Glosa Rivamoura Teixeira

 *

Na minha vida serei

Um eterno apaixonado

Vou deixando o meu legado

Pelo mundo onde passei

Sei que amar é maior lei

Amarei, jardins, pomar,

O povo, montanha e mar

Porque tal mal não me ilude

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Glosa, Jairo Vasconcelos.

*

É efêmera a mocidade

Mas o amor nunca passa

Viver feliz é uma graça

Pra amar não tem idade

Amo com intensidade

Nunca paro de sonhar

Flutuo leve no ar

Sem temer a altitude

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Glosa Araquém Vasconcelos

 *

Desde a minha adolescência

O meu coração suspira

O sentimento me inspira

E alimenta em mim, a essência

A paixão é consequência

Desse intenso ”mal” de amar

Hoje vivo a suspirar

Pelo amor em plenitude

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Glosa - Creusa Meira/

*

Aquele amor que foi chama

Que nem bombeiro apagava,

Que ardia, que rolava

Que quebrava toda cama,

Se entrelaçava na trama,

Hoje é só folha a boiar,

Vivo só de recordar

Que triste decrepitude:

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR!

GLOSA De Bastinha Job

 *

Já passaram tantos anos

Desde que nos conhecemos

Cada dia acrescemos

Graças por esses planos

Fizeram - se soberanos

Tu serás sempre meu par

E nada fará mudar

Espero que nada mude

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS, PROSSIGO A NAMORAR.

Glosa: Dulce Esteves.

*

Quando moço era um estouro

Eu vivia apaixonado

Hoje, todo remendado

Ergo o beiço qual um touro

Quando o cheiro do namoro

É trazido pelo ar

Mas na hora de arrochar

Não dá cola nem dá grude

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR

Glosa Giovanni Arruda

*

Gosto de viver a vida

Com carinho e alegria,

Fazer amor com poesia,

No Sol, no mar, na avenida;

Com prazer cuido da lida,

Sem esquecer de beijar

Meu amor, ao me abraçar,

Seu carinho é o que me ilude.

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR.

GLOSA: Chica Emídio.

*

Todo amor quero viver

Do presente e de outrora

Segundo, minuto e hora

E jamais quero esquecer

Faço o que for pra fazer

No tempo que me restar

Tudo quero aproveitar

Gozo de boa saúde

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR.

Glosa: F. de Assis

*

Uma página da vida

Duas três e sei lá quantas

De histórias já são tantas

Talvez alguma perdida

Eu não sei se a mais doída

Mas são muitas pra lembrar

São tantas com o verbo amar

Que coloquei no ataúde

JÁ SE FOI A JUVENTUDE

MAS PROSSIGO A NAMORAR.

Vânia Freitas

*

Lembro da melhor idade

dos meus vinte e mais anos,

com meus direitos humanos

recheados de vontade…

Vivi minha mocidade

sem ter do que reclamar,

fui do vinho ao caviar

e não me faltou saúde…

JÁ SE FOI A JUVENTUDE,

MAS PROSSIGO A NAMORAR.

David Ferreira

Xilo do meu acervo, autoria de Erivaldo Ferreira

Roda de glosas coordenada por Dalinha Catunda.

Obrigada poetas e poetisas as glosas ficaram ótimas.

É um prazer glosar com vocês.

De Dalinha Catunda cad. 25 da ABLC, para o Cordel de Saia.

 

 

terça-feira, 15 de junho de 2021

TRÊS POETISAS NO SÃO JOÃO VIRTUAL


 

TRÊS POETISAS NO SÃO JOÃO VIRTUAL

I

DALINHA CATUNDA

Hoje sofro sem São João,

Sem fogueira, sem balão,

E o canto do meu amor.

Retirando seu chapéu,

E dizendo: Olha pro céu,

Repare quanto esplendor!

II

BASTINHA JOB

Nossos 3 santos juninos

Não foram tão festejados

Sem quadrilha, sem fogueira

Sem fogos, sem papoucados

Acabar com a pandemia

Pra voltar a alegria

Desses santos afamados

III

CHICA EMÍDIO

Sem São João e sem fogueira,

Sem balão, sem brincadeira,

Longe dos meus e dos seus;

Essa Covid assassina,

Que o mundo contamina,

Só mesmo rogando a Deus.

*

Adorei as interações, meninas, bjs.

dalinhaac@gmail.com


quarta-feira, 9 de junho de 2021

CIRANDA DE VERSO: QUEM É VOCÊ?


 

CIRANDA DE VERSO: QUEM É VOCÊ?

*

Obrigada, poetas e poetisas que aqui se apresentaram dando o ar da sua graça. Nossa Ciranda de Versos cada dia aumenta mais. Obrigada e meu abraço carinhoso

*

QUEM É VOCÊ?

Eu sou Dalinha Catunda

Do Ceará, do sertão!

Criada com rapadura,

Caldo de cana e baião,

Com galinha caipira,

Curimatã e traíra,

Todas feitas com pirão.

DALINHA CATUNDA- CEARÁ

2

Me chamo Pedro Monteiro

natural do Piauí,

aprecio cajuína, 

refresco de buriti,

carne de sol com paçoca,

um beiju de tapioca,

baião de dois e pequi.

PEDRO MONTEIRO-PIAUÍ

3

Sou Joabnascimento

Eu sou um filho granjence

Fui criado em Camocim

Cidadão camocinense

Eu sou um cabra da peste

Defensor do meu Nordeste

Sou um legítimo cearense

JOABNASCIMENTO-CAMOCIM-CE

 4

Meu nome é Araquém

Santana minha cidade

Sou cearense do bem

Possuo a simplicidade

Sou rabiscador roceiro

Do Nordeste brasileiro

Que luta por igualdade

Araquém Vasconcelos

 ALVAÇÃ/SANTANA DO ACARAÚ CE

 5

Eu sou a Sebastiana

Mas me chamam de Bastinha

Nasci na Vila do Amaro

Do Assaré é vizinha

Gosto muito de poesia

De cordel, de cantoria

E sou muito safadinha

BASTINHA JOB

6

Sou Francisco de Assis

Sou natural de Barbalha

Do santo casamenteiro

O protetor que não falha

Glorioso Santo Antônio

Patrono do matrimônio

Coroa aqui não encalha.

FRANCISCO DE ASSIS SOUSA - Barbalha/CE.

 7

Cratense do Ceará

sou Anilda Figueirêdo,

acostumei dormir tarde,

porém sempre acordei cedo,

só pra ver os passarinhos,

despertando nos seus ninhos,

cantando no arvoredo.

ANILDA FIGUEIRADE- CRATO -CE

 8

Giovanni Arruda é meu nome

Fui parido em Fortaleza

Amo o mar e a jangada

Mas afirmo com certeza

Tudo que vem do matuto

Seja gente ou bicho bruto

Bate em mim com profundeza

GIOVANNI ARRUDA – CE

9

Sou Maria de batismo

Vânia Freitas sou chamada

Sou daqui de Fortaleza

Faço parte da cambada

De poetas cordelistas

Que no palco são artistas

Felizes na caminhada.

VÂNIA FREITAS - FORTALEZA

10

Eu sou Jairo Vasconcelos

O Baixinho da alvaçã

Velho homem sonhador,

Dos poetas, eu sou um fã

Sou nordestino raiz

Com um pouco, sou feliz

A paz é minha irmã.

JAIRO VASCONCELOS.

11

Nascida no Assaré

Na terra do Patativa

Eu me chamo Francy Freire

E nessa perspectiva

Tenho feito muito verso

Com bons poetas converso

Nessa linha interativa.

FRANCY FREIRE

12

O meu nome é Chica Emídio

Nasci lá no Potengi.

Vim morar aqui no Crato,

Comer baião com pequi,

Estudar e trabalhar,

Fazer o meu Sol brilhar,

Com meus amigos daqui.

FRANCISCA EMÍDIO

13

Dulce Esteves de Recife

A Veneza Brasileira

Ninguém tem nosso cacife

Seremos sempre primeira

Em terra Pernambucana

Chamam - me de soberana

Assino pois, minha grife.

DULCE ESTEVES - RECIFE- PE.

 14

Olá! Marcos é meu nome

Gosto de verso e canção

Nascido lá no Nordeste

Minha bela região

Gosto de fazer paródia

Minha cidade, é Custódia

A princesa do sertão.

MARCOS SILVA

15

Sou Mana do Romualdo

E adoro poesia

Patativa foi o mestre

Que me inspirou um dia

Em dois mil fiquei contente

Quando aprazivelmente

Fui membro da ACADEMIA.

MANA CARDOSO

16

Sou Ritinha Oliveira

Sou de Quixeramobim

Senador me adotou

Como flor do seu jardim

E resido no Distrito

Que tem o nome bendito

Do Deus senhor do Bonfim

RITINHA OLIVEIRA!

17

O meu nome é Creusa Meira

Nasci no sertão baiano

Numa pequena cidade

Que vejo uma vez por ano

Na festa de São João

Onde existe a tradição

De alegrar o ser humano

CREUSA MEIRA

18

Sou Claude Bloc Boris

E nasci em Fortaleza

Muito cedo vim pro Crato

Cheio de graça e beleza

O Crato de meus amores

Meu destino, minhas dores

Crato doce, com certeza.

CLAUDE BLOC

19

Sou Vivaldo Araújo

Do Sertão do Seridó

São João do Sabugi

Pertinho lá de Caicó

Potiguar, caboclo forte

Do Rio Grande do Norte

Terra do Sol e do Sal

Moro aqui na cidade

Onde a felicidade

Tem o nome de Natal

VIVALDO ARAÚJO DA COSTA

SÃO JOÃO DO SABUGI PRA NATAL

20

Sou Fabiana Vieira

O Reisado é minha dança

O Crato é minha Pasárgada

É meu arco-da-aliança

Vem da Serra minha beleza

De sua cultura a riqueza

Onde se encanta a esperança

FABIANA GOMES VIEIRA

*

Olá eu sou Assis Mendes,

Paraibano da gema,

Trago entranhado na pele,

Cheiro da flor da Jurema,

E guardo no coração,

A cantiga do carão,

E o canto da seriema.

ASSIS MENDES

 

Xilo de Carlos Henrique

sábado, 5 de junho de 2021

METI O PÉ NA CARREIRA - Conversa de Calçada Virtual


 

CONVERSA DE CALÇADA VIRTUAL

Vamos pegar as cadeiras e entrar na roda?

A estrofe precisa começar sempre com o primeiro verso

1

“METI O PÉ NA CARREIRA”

Quando meu pai avistei

Fui ao forró escondida

Pra ninguém nada falei

Quando vi lá do salão

Meu pai com cipó na mão

Confesso desembestei.

Dalinha Catunda- Rio de Janeiro - RJ

2

METI O PÉ NA CARREIRA

quando avistei Adalgisa

Uma irmã muito braba

E eu com a cara lisa

Fiquei fazendo motejo

Sem vergonha sem ter pejo

Corri com medo da pisa...

Bastinha Job – Crato – Ce

3

METI O PÉ NA CARREIRA

A hora estava marcada

Faltando 5 minutos

Pense que forte pisada

Já ouvi do vigilante

Você é o último, adiante

A agência está fechada.

Rivamoura Teixeira

 4

METI O PÉ NA CARREIRA

Com medo do boi zebu

Vinha voltando da feira

Do baixo Acaraú

Não tinha pra onde saltar

Eu tive que escapar

No pé de mandacaru.

Araquem Vasconcelos

 5

METI O PÉ NA CARREIRA

E quase peço socorro

A sorte qu'eu tive sorte

Consegui subir no morro

Por cima de pedra e tudo

De pressa fiz de escudo

O tal dono do Cachorro.

Francisco De Assis Sousa

6

Barbalha-CE

 

METI O PÉ NA CARREIRA,

ao ver quem tinha chegado,

eu brincando um São João,

dançando com o namorado,

mamãe chegou sutilmente,

tacou a peia na gente,

foi cada um pra seu lado.

Anilda Figueiredo- Crato- CE

7

METI O PÉ NA CARREIRA

Cum medo de vosmicê

Eu já tô véio, cansado

Num posso mais lhe "atendê"

No tempo que eu pudia

Vosmicê num me quiria.

O que mudô em você?

Marcelo José

8

METI O PÉ NA CARREIRA,

Eu quase que não me venço.

Pensei que tirei um lenço,

Num dia de carnaval,

Do"quengo"duma criatura ;

Era um rolo de atadura,

Ví nêga passando mal.

Wellington Santiago

9

METI O PÉ NA CARREIRA

Entre Barbalha e Jardim

Com medo de um lobisomem

Essa criatura ruim

Assombrava todo mundo

O tal Vicente Finim

Fabiana Vieira- Crat0-CE

10

METI O PÉ NA CARREIRA

Debaixo da cajarana,

Quando papai me chamou:

- Vou brincar com jetirana!

Ele não batia em nós,

Cinco minutos após,

Lá estava eu na chicana.

Chica Emídio - Crato-CE.

 11

METI O PÉ NA CARREIRA

No assanhar do maribondo

Famoso pelo chapéu

Com formato hediondo

Venceu a corrida a vespa

Minha cabeleira crespa

Fervilhou de nó redondo

Giovanni Arruda- Fortaleza- CE

12

"METI O PÉ NA CARREIRA"

Quando o dono apareceu

Na roça de melancia

Por pouco não pegou eu

Nenhuma pude levar

Com medo de apanhar

Uma pirôla me deu...

Jairo Vasconcelos

13

METI O PÉ NA CARREIRA,

Quando vi a tal confusão,

Naquele ano de oitenta e oito.

Foi na greve dos cem dias.

E gás para todo lado.

Perdi até o meu calçado,

Fugindo do camburão!

 Rosário Pinto- Rio de Janeiro-RJ

 14

“METI O PÉ NA CARREIRA”

No meio da escuridão

Quando vi foi uma sombra

Me fazendo assombração

Se eu lhe contar o segredo

Que eu estava era com medo

Da sombra da minha mão.

Vânia Freitas – Fortaleza-CE

15

METI O PÉ NA CARREIRA

Quando a polícia chegou

Assaltaram uma igreja

O tenente me olhou

Quando disse o sacristão

Toda oferta vinho e pão

Foi Ritinha que roubou

Ritinha Oliveira!

16

METI O PÉ NA CARREIRA

Quase morri assustado

Ao jogar pedra na Kombi

Quase o vidro foi quebrado

A minha irmã enredou

O meu pai quando chegou

Eu já tinha me mandado

Joabnascimento-Camocim-Ce.

*

Obrigada a cada poeta que entrou nessa conversa de calçada,

 organizada por Dalinha Catunda.

dalinhaac@gmail.com

 ·